Posts de:

Ana Vieira

TV

O fim de Girls, e o que significa ser uma garota das garotas

Existem séries e séries. Algumas séries são aclamadas pela mídia e outras nem tanto. Girls sempre esteve no limbo entre ser querida e odiada. Afinal, é uma série de meninas brancas, escrita, à época, por uma garota branca de vinte e poucos anos, que conta a história de garotas brancas tendo que viver na mais badalada cidade do mundo – e como tudo isso é muito difícil. Com uma protagonista fora do padrão, o linguajar diferente, uma nudez e sexualidade sem glamour e sem vergonha, e a forma de conduzir a história que nada tem a ver com as mais comuns comédias americanas, Girls pode não ser revolucionária, mas é inegável que tenha conquistado seu lugar ao sol.

Continue Lendo

CINEMA

Mulheres na comédia: aqui tem

Um dos meus gêneros preferidos durante toda a vida sempre foi a comédia, em especial a romântica, ou aquelas coming of age, em que os personagens passam por aquele período turbulento entre a adolescência e a vida (jovem) adulta. Com o passar dos anos, no entanto, eu e as comédias do ramo cinematográfico nos afastamos. Aproximei-me das comédias de TV, já que no cinema Hollywood só quis (e quer) saber de super-heróis, remakes e rebootsContinue Lendo

TV

You’re the Worst, e eu também

You’re the Worst é uma série de comédia que mostra que tá todo mundo na merda” foi o comentário que um dia eu deixei no Banco de Séries, também conhecido como meu site favorito. Grande parte disso é verdade, a outra parte diz mais sobre como You’re the Worst é uma série sobre o que é ser humano, e como o ser humano pode ser uma merda. Continue Lendo

TV

Uma lição de girl power com as mulheres de Suits

Nadando contra a corrente, eu nunca fui muito de séries ambientadas em mundos advocatícios. É irônico não só porque hoje em dia duas das minhas séries favoritas são ambientadas nesses mundos, mas também porque eu estou a alguns passos de me formar e, quem sabe, me tornar uma advogada do mundo real. Compreendo todo o apelo por trás de séries como CSI e seus derivados, até já assisti alguns episódios esporádicos, afinal, como pessoa privilegiada com acesso à TV por assinatura, CSI e (de novo) seus derivados são uma constante nas telinhas. Porém, apesar de entender o apelo, o coração nunca aqueceu diante delas. Continue Lendo

LITERATURA

Sylvia Plath: se essa redoma fosse minha

Antes de ler A Redoma de Vidro, da Sylvia Plath, um número considerável de pessoas já havia me dito que ele era pesado e que haviam ficado mal com a obra. Quando finalmente comecei o livro, eu não esperava menos dele do que ele realmente foi: a leitura densa da qual eu estava precisando.  Continue Lendo