Categorias: LITERATURA

O silêncio que revela em Meu Nome é Lucy Barton, de Elizabeth Strout

A ideia de que a arte imita a vida está no imaginário de muitos leitores que recorrem à literatura. Há também aqueles que esperam que as obras de ficção sejam sempre coerentes, com todos os mistérios solucionados e a lacunas preenchidas, ignorando que em nossas vidas pode haver questões mal resolvidas e muito espaço para […]

Continue lendo

Categorias: LITERATURA

A beleza na memória das ruínas: Cidades Afundam em Dias Normais, de Aline Valek

Cidades afundam, imagem destacada

Fazendo um empréstimo das palavras da autora, Cidades Afundam em Dias Normais é uma história sobre o que sobrevive ao apocalipse. Diferente do cenário violento e extremamente dinâmico no qual estamos acostumamos a vivenciar histórias distópicas, na narrativa de Aline Valek o fim faz parte do cotidiano. Ele ocorre lentamente enquanto as águas engolem uma cidade […]

Continue lendo

Categorias: TV

Seo In-jae e Seo Dan-ah: o impacto do roteiro na narrativa de protagonistas femininas

Seo In-jae e Seo Dan-ah

Os dramas coreanos estão inseridos cada vez mais nas plataformas de streaming e na indústria do entretenimento. Ainda que no passado esse tipo de produto cinematográfico fosse visto com ressalvas, gradativamente percebe-se uma mudança no cenário, principalmente com os grandes investimentos das empresas do setor nesses universos narrativos.

Continue lendo

Categorias: TV

Esqueça as Helenas: Maria Eduarda é a maior criação de Maneco

Mimada, insegura e complexa, essa é Maria Eduarda, filha da Helena mais “fácil” de entender de Manoel Carlos, lendário autor de novelas da Rede Globo. As duas são protagonistas de Por Amor, novela exibida originalmente em 1997 que foi ao ar novamente em 2019. No multiverso localizado no Leblon habitado por Helenas, a Helena de […]

Continue lendo

Categorias: LITERATURA

Mentes Sombrias: a revolução distópica liderada por uma garota

Em 2008, o mundo literário foi tomado pela febre das distopias. A grande responsável pela disseminação do gênero na contemporaneidade foi Suzanne Collins, com uma das trilogias mais bem sucedidas da atualidade, Jogos Vorazes. Durante anos após o lançamento do primeiro livro, não passou-se um mês sem que dezenas de obras pipocassem dentro do mesmo […]

Continue lendo