Categorias: COLABORAÇÃO, TV

Miranda, Olivia e Annalise: as mulheres reais de Shonda Rhimes

Shonda Rhimes é uma das mulheres mais poderosas do mundo das séries, e isso é inegável. Mais do que isso, ela é uma mulher negra poderosa, que constrói personagens singulares. Para além das pautas raciais, aborda diversos assuntos considerados polêmicos de forma muito natural e, claro, com forte presença de mulheres negras.

Com 48 anos, Shonda Rhimes é roteirista, cineasta e criou sua própria produtora, a ShondaLand. Foi responsável por muitos filmes e estreou no mundo das séries em 2005, com Grey’s Anatomy. Em 2007 ela lançou Private Practice e Scandal em 2012. Também produziu How to Get Away with Murder, que estreou em 2014, The Catch e Still Star -Crossed, ambos de 2016 .

A norte-americana foi, por muito tempo, estrela do horário nobre das quintas feiras no canal ABC com Scandal, How to Get Away with Murder e Grey’s Anatomy. Até que no ano passado, assinou contrato de exclusividade com a Netflix, deixando a emissora. Shonda é uma das profissionais de televisão mais bem sucedidas da atualidade, além de ser destaque no que tange questões raciais, sempre buscando representação e diversidade em seus personagens, sempre trazendo mulheres negras como destaque em suas produções. Um exemplo é a Drª Miranda Bailey, de Grey’s Anatomy. Curiosamente, ela foi uma das únicas a ter especificações no teste de elenco e deveria ser uma mulher alta, magra e com cabelos louros encaracolados. No entanto, Chandra Wilson foi um sucesso durante os testes e garantiu o papel, para o qual foi considerada perfeita.

Bailey é chefe de cirurgia do Hospital Grey Sloan Memorial, onde a série acontece. Apesar de ter uma relação quase maternal com seus internos, é uma mulher durona e autoritária. Ao longo da trama, passa por situações complicadas, como o divórcio, que fez com que desistisse de uma bolsa de estudos em cirurgia pediátrica, mas mantém a postura e o foco em sua carreira. Mais do que uma médica de sucesso, Miranda é uma mulher negra e gorda em um ambiente predominantemente branco, com pessoas dentro dos padrões esteticamente aceitáveis. Ela conquistou seu lugar de destaque na sociedade por meio da competência, característica marcante das personagens negras de Shonda.

Já Olivia Pope (Kerry Washington), de Scandal, foi inspirada em Judy Smith, assessora do presidente George W. Bush que tornou-se gerente de crises após deixar o posto. Olivia é uma espécie de relações públicas da Casa Branca, que resolve todos os problemas e teve forte participação na campanha que elegeu Fitzgerald Grant. Proprietária da Olivia Pope & Associates, uma empresa de gerenciamento de crises que resolve os problemas da elite de Washington, a advogada e sua equipe cuidam dos escândalos, principalmente políticos. No entanto, os problemas de sua vida pessoal costumam trazer uma pitada de drama à trama.

Olivia tem uma relação complicada com os pais, mas foi com eles que aprendeu lições valiosas para uma mulher negra. Seus diálogos com o pai, Eli Pope (Joe Morton), são sempre muito profundos e trazem à tona as questões raciais nos Estados Unidos. Para além de seu romance com o presidente, a personagem retrata bem os dramas enfrentados por mulheres negras em uma sociedade racista.

Talvez a mais conhecida das protagonistas de Shonda, contudo, seja Annalise Keating. Interpretada por ninguém menos que Viola Davis, a advogada de personalidade marcante é uma das maiores autoridades em sua área de atuação. Com toda a intensidade empregada em sua construção, é um daqueles casos “ame ou odeie”. A postura de Keating no tribunal é de botar medo em qualquer um e, além disso, também é professora de direito penal e seleciona alguns alunos para fazerem estágio em seu escritório. Com classes lotadas e grandes casos nas mãos, ela ensina a estes alunos como se livrar de um assassinato das formas mais perspicazes possíveis.

Sempre com o visual impecável, bem vestida, penteada e maquiada, Annalise é um verdadeiro ícone e protagoniza uma das cenas mais marcantes e dramáticas de toda a série: após um dia de trabalho, a personagem se “desmonta”, tira a peruca, a maquiagem e as roupas, evidenciando que, mesmo com um papel de destaque na sociedade, a mulher negra ainda tem sobre si várias cobranças, principalmente no que diz respeito à aparência.

Com o papel, Viola Davis se tornou a primeira atriz negra a vencer o Emmy de Melhor Atriz em Série Dramática e emocionou a todos com seu discurso sobre a falta de oportunidades para as mulheres negras na televisão. O cenário é realmente preocupante e a falta de representatividade sempre foi um problema. A crescente de atores negros nas produções é uma realidade, mas ainda está longe do ideal. Nos Estados Unidos, apenas 13% dos papéis são interpretados por atores negros. Trazendo estas mulheres com tanto destaque, com atrizes competentes, Shonda Rhimes, uma mulher negra de destaque, contribui para que cada vez mais estes espaços elitizados sejam ocupados por negros, principalmente mulheres.

Ana Luisa Santos tem 22 anos. É Jornalista, Fotógrafa e estudante de Publicidade e Propaganda, sempre apaixonada pela arte do registro. É workaholic, viciada em séries e leitora assídua. Nas horas vagas, finge que é blogueira e se aventura no mundo das finanças pessoais e investimentos. Sempre disponível no Instagram.


** A arte em destaque é de autoria da editora Ana Luíza. Para ver mais, clique aqui!
** A arte do banner é de autoria da artista Raquel Gouvea.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *