Categorias: LITERATURA

Anatomia de Um Quase Corpo: o livro das rupturas

Uma leitura atenta de Anatomia de Um Quase Corpo permite constatar que um sinal gráfico constantemente presente ao longo das páginas é  “/”. A barra pode até passar despercebida por alguns leitores, mas passa a ser um símbolo evidente do livro, publicado originalmente de forma independente pela Amazon e agora disponível em versão física em […]

Continue lendo

Categorias: CINEMA

Dançando no Silêncio: a arte como superação

As produções consideradas feministas do nosso tempo parecem ter a obrigatoriedade de conter algum tema violento em comum à experiência de socialização feminina: desigualdade de poder, abusos, estupros ou a cultura do estupro, relações tóxicas e violência doméstica. Estes são sim temas que ainda precisam ser muito debatidos, mas não são os únicos comuns às […]

Continue lendo

Categorias: CINEMA

Perigo: mulheres na direção!

O título deste texto foi escolhido como referência a um outro pensamento recorrente na cultura patriarcal: mulher no volante, perigo constante. Ainda que atualmente as mulheres já estejam no comando de seus carros em um número muito maior, a ideia preconceituosa ainda é bastante repetida ou parafraseada. Aliás, ainda existe uma grande resistência às mulheres […]

Continue lendo

Categorias: CINEMA

O tempo da mulher é outro? Por que histórias de amadurecimento de meninas tem protagonistas tão jovens?

Você já é uma mocinha? A temporada de premiações cinematográficas de 2023 trouxe, entre suas indicações, três filmes que acompanham o amadurecimento de três jovens garotas, que ainda têm uma adolescência inteira para atravessar, mas já alcançaram uma maturidade que não se vê nas artes quando se trata de garotos, que vão encontrar seu crescimento […]

Continue lendo

Categorias: LITERATURA

O nome dela é Vanessa Freitas: uma estreia literária excelente para leitores contemporâneos

Por muito tempo, as histórias sobre pessoas LGBTQIA+ que se popularizaram na mídia carregavam uma série de estereótipos nocivos a uma comunidade já socialmente estigmatizada e acabavam exibindo uma lógica baseada no punitivismo do pensamento cristão ocidental. Era preciso que essas pessoas sofressem para que seguissem existindo, como se a penitência as autorizasse a estar […]

Continue lendo