Categorias: TV

Relembre os términos lésbicos mais tristes das séries de TV

O fim de uma relação lésbica é, na maioria das vezes, bem dramático. E isso não é um problema, já que a intensidade com que nos relacionamos também se reflete quando a relação chega ao fim. E se existe uma produção audiovisual que sabe como retratar esse momento são as séries de TV. Apesar de raramente nos enxergarmos representadas no que se cria nessa indústria (o cinema, por exemplo, é uma grande decepção*), as séries conseguem explorar as possibilidades de colocar as relações lésbicas em evidência – o resultado disso é muito interessante.

Já que é preciso de diversos núcleos narrativos durante as temporadas para conseguir se criar um bom seriado, normalmente os namoros entre duas mulheres recebem atenção e são aprofundados. Os roteiros são tão verdadeiros que é comum cenas icônicas de uma série serem os términos lésbicos. Até mesmo a existência de The L World, primeira produção inteiramente lésbica nos EUA, se caracteriza como um refúgio e é idolatrado até por quem não assistiu a série.

Acompanhar o término de uma relação  não é o mais animador, mas é reconfortante saber que se a gente passar por uma desilusão amorosa, vamos ter a companhia das narrativas televisivas do jeito que vivemos na vida real. É interessante ver a repressão ou a aceitação familiar e poder comparar com sua própria vivência, além de ser especial assistir e discutir sob a perspectiva de quem sente e sofre essa realidade também.

Aviso: Os casais dessa lista podem ter voltado em temporadas posteriores, a seleção foi feita de acordo com o número de lenços que você precisará separar para assistir às cenas em questão.

Callie e Arizona, Grey’s Anatomy

Esse calsazão é um dos mais longos e intensos que você pode conhecer. Todas as fases de um relacionamento lésbico elas viveram durante quase todas as 14 temporadas de Grey’s Anatomy. Paixão, dúvida, separação, gravidez, mais términos, choros. Parabéns à Shonda Rymes, que soube explorar tão bem as diversas fases que as duas enfrentaram! Essa cena da 7ª temporada é de quebrar o coração.

Shane e Carmen, The L World

Definitivamente, nunca, nunca abandone sua mulher no altar. Mas esse conselho não chegou para a Shane (Katherine Moennig) em The L World. Na 3ª temporada, ela deixa Carmen (Sarah Shahi) dentro da igreja, na frente de todos os convidados. Alguns conflitos do seriado (o mais famoso entre as lésbicas) são bem delicados para as sapatões, mas em um contexto geral, as personagens até hoje são idolatradas.

Marissa e Alex, The O.C

O casal inesquecível dos adolescentes é, com certeza, Marissa (Mischa Barton) e Alex (Olivia Wilde). Elas tinham uma sinceridade e inocência de primeiro amor, que raramente se vê entre duas mulheres na televisão. No entanto, ainda era 2005 e a movimentação das pessoas conservadoras e da imprensa fizeram com que o romance fosse curto. As lésbicas que sentiram a emoção de se verem representadas também se sentiram traídas, já que Marissa volta a namorar com um homem e começa a ignorar a ex-namorada. Resumidamente: uma história revoltante. A cena do término delas é bem triste, inclusive.

Emily e Paige, Pretty Little Liars

Inesperadamente em Pretty Little Liars, uma série bem americana, que reproduz diversas atitudes machistas e gordofóbicas, uma das principais personagens é lésbica! Emily (Shay Mitchell) não reproduz nenhum padrão de masculinidade (estereótipo comum quando se quer falar sobre o assunto), as amigas a tratam bem e seus dramas são bem desenvolvidos. Tem cena de beijo, de sexo, de risada e de tristeza. A personagem teve várias namoradas durante as temporadas, Paige (Lindsey Shaw) foi uma delas. Mas o namoro não durou e no fim da 4ª temporada as duas terminam.

Santana e Britanny, Glee

Há controvérsias entre essas namoradas. Alguns fãs não gostaram da forma que foi conduzido o término delas, outros diziam que só pela série ser adolescente e retratar o amor entre duas mulheres (e elas não terem terminado por um boy) já rende um debate sobre sexualidade. Desde o começo da série, o envolvimento das duas já estava claro, mas só ganhou destaque na segunda temporada. Apesar do rompimento, o casal continuou mostrando carinho e respeito. O sucesso de Brittany (Heather Morris) veio porque as duas personagens têm personalidades bem diferentes: Brittany, ingênua e doce, e Santana (Naya Rivera), forte e controladora.

Bônus

Como The L World é a série mais sapatão da história, deixo uma cena entre Bette (Jennifer Beals) e Tina (Laurel Holloman). Suas brigas são icônicas, apesar de sempre serem tristes.


* No cinema, as produções – majoritariamente comandadas por homens – pecam no excesso de cenas sexuais e são deixados de lado os momentos do cotidiano.

Clara Cerioni é jornalista e lésbica, é apaixonada pelo universo da música, em especial por tudo o que é produzido por mulheres. Acredita na bondade das pessoas e queria que sua história fosse como a de Patti Smith. Sonhadora, busca nas palavras o refúgio para enfrentar os problemas do mundo. Medium | Instagram

Banner Especial Visibilidade Lésbica 2018


** A imagem em destaque é de autoria da editora Ana Luíza. Para ver mais, clique aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1 comentário

  1. Gostaria de acrescentar nessa lista um dos casais mais injustiçados dos últimos anos:Clark e Lexa em The 100,a forma tosca como os produtores separaram esse lindo casal,matando Lexa com uma bala perdida pouco tempo após elas terem se amado foi deprimente,não superei até hoje.