Categorias: CINEMA

Matrix Resurrections: quando viver na Matrix é uma escolha

Em 1999 foi lançado o primeiro filme da série Matrix. Naquela época, os computadores começavam a fazer parte da vida das pessoas e a internet era um conceito um pouco confuso na cabeça do cidadão médio. Lembro de usar um computador enorme, que ia ficando amarelado com o tempo e precisava de uma escrivaninha inteira para seus vários componentes. O computador, que era do meu pai, tinha um incrível Windows 98 instalado e era preciso colocar uma capa transparente em cima de tudo quando desligasse para não pegar pó. No final daquele ano, um temor geral de que o Bug do Milênio ia gerar um caos generalizado (eu tinha só cinco anos e me lembro com pavor das notícias no Jornal Nacional), demonstrava o quanto a internet parecia ameaçadora.

Atenção: este texto contém spoilers

Matrix mexeu com a cabeça das pessoas porque tratava de questões filosóficas profundas, inerentes à condição humana: o que somos? Para onde vamos? A vida é realmente só isso? Mas juntava a isso a tecnologia, um novo componente que gerava dúvidas tão profundas quanto as de origem filosófica. O segundo e o terceiro filmes da franquia aprofundam essas questões. Com base em diversas teorias filosóficas e uma estética anos 2000, Matrix conquistou uma geração que usava descanso de tela com números verdes brilhantes falando sobre angústias do momento em que tudo parecia mudar rápido demais.

matrix

Quase 20 anos depois, o mundo é muito diferente. O lançamento de Matrix Resurrections, o quarto filme da franquia, veio num momento ainda mais peculiar da nossa história. No meio de uma pandemia, quando a maioria das pessoas passou a se apoiar ainda mais nas tecnologias e a internet invadiu abruptamente diversas áreas da vida de todos. Pessoas que não estavam acostumadas a ligações por vídeo, tiveram que se acostumar. Reuniões com amigos, trabalho, shows, tudo acontecia on-line. No meio de tudo isso, solidão, desespero, medo do desconhecido em proporções que a maioria nunca havia experimentado.

Os questionamentos de Matrix voltam ainda mais intensos nesse período em que a tecnologia e a internet permeiam toda a nossa vida. No início do filme, The Matrix é apresentado como um jogo de videogame de muito sucesso nos anos 2000. Um jogo desenvolvido por Thomas Anderson (Keanu Reeves), com um personagem chamado Neo e com diversas cenas que já sabemos de cor: Neo desviando de balas vestindo um sobretudo preto, Trinity (Carrie Ann Moss) correndo na motocicleta. Um jogo que todo mundo conhece e jogou na infância, fazendo com que Anderson seja reverenciado no mundo dos games, enquanto luta contra o que parece ser uma esquizofrenia tomando grandes e brilhantes pílulas azuis diariamente. Enquanto assisti aos primeiros minutos, me questionei se a narrativa realmente ia tomar esse rumo, se a Matrix seria uma mentira muito bem contada a partir dali.

A utilização dessa metahistória no enredo é feita de maneira genial numa narrativa que trata, desde o início, de uma realidade virtual elaborada para parecer real, que engana as pessoas ao longo de todas as suas vidas. A diretora Lana Wachowski utiliza o recurso para tentar explicar algumas coisas a um público mais jovem e que não conhecia os filmes anteriores, o que deixa algumas partes da história um pouco arrastadas para quem já sabe do que se trata.

matrix

Com o encontro de Thomas Anderson e Trinity, o espectador descobre que a Matrix continua sendo real e a história The Matrix realmente aconteceu. O reencontro de Neo e Trinity é um dos pontos altos no filme, pois trata do envelhecimento, da passagem do tempo e das escolhas que fazemos ao longo da vida. O filme respeita a história original, com personagens muito bem construídos, dando aos fãs aquele gostinho de que estamos de fato assistindo a uma continuação de algo que gostamos muito.

Os seres humanos buscam formas de compreender a realidade desde que o mundo é mundo. Vejo que o principal questionamento que Matrix Resurrection traz continua sendo o mesmo: essa é a realidade? A vida é isso? A tecnologia, que pode ser uma ferramenta útil para nos ajudar a responder essa pergunta, parece até agora nos trazer mais angústias e dúvidas. Se o primeiro Matrix apontava que talvez estivéssemos vivendo numa simulação tão bem feita que parecia a realidade, hoje em dia os jogos em realidade aumentada fazem isso descaradamente. Existe tanta diferença assim entre a Matrix e o metaverso? Estamos todos os dias tomando a pílula azul e fim da história: nos anestesiando na internet?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.