Navegando Pela Tag:

companhia das letras

CINEMA LITERATURA

A História de Mildred Pierce: a subversão na literatura policial

Mildred Pierce

Nos anos 40, não tinha para ninguém. Considerado a galinha dos ovos de ouro do cinema, James M. Cain forneceu algumas das histórias que se tornariam clássicos do gênero noir, como O Destino Bate à Sua Porta e Pacto de Sangue. Ao contrário de Raymond Chandler, outro grande nome da literatura policial, Cain estava interessado em algo que nem sempre era muito focado nesse gênero: as mulheres. Ao contrário de seus conterrâneos, James colocou as mulheres no centro da literatura policial e subverteu a maior lógica do noir: o assassinato. Na obra de Cain, o assassinato ocupa segundo plano; o importante mesmo é o contexto em que suas personagens estão inseridas. Se você entender o contexto, poderá decifrar o que ele quer nos dizer.

Continue Lendo

LITERATURA

Veronika Decide Morrer: uma jornada para se (re)descobrir

Acredito que desde que me entendo por gente – ou leitora – que ouço falar de Paulo Coelho. Embora ele seja um dos autores brasileiros e de língua portuguesa mais traduzidos no mundo – em uma rápida pesquisa no Google é possível saber que suas obras já receberam mais de mil traduções! – eu, até hoje, nunca havia me interessado por um livro seu, mas finalmente chegou o dia em que escolhi mergulhar em uma de suas tramas e, para isso, elegi Veronika Decide Morrer.

Continue Lendo

LITERATURA

Como Falar com Garotas em Festas: somos mesmo de outro planeta?

Eu não sei o que dizer pras garotas.
Elas são apenas garotas. Elas não vêm de outro planeta.”

Não é preciso ir muito longe na internet para descobrir um universo inteiro de dicas, tutoriais e guias detalhados escritos por homens heterossexuais para outros homens sobre como conquistar o sexo oposto. Como conversar com mulheres? Como abordá-las em festas e baladas? Do que elas gostam, no que elas pensam, como você deve agir e o que deve evitar categoricamente? É como se fôssemos de espécies completamente diferentes. Homens, de Marte, mulheres, de Vênus, segundo a sabedoria popular.

Continue Lendo

LITERATURA

Relatos de Um Gato Viajante – amizade além das fronteiras

Algumas histórias ficam com a gente para sempre – e esse certamente é o caso de Relatos de Um Gato Viajante, da autora japonesa Hiro Arikawa. Publicado no Brasil pelo selo Alfaguara da Companhia das Letras, o livro conta a história de Nana, um gato que está viajando pelo Japão em companhia de Satoru, seu inesperado e devotado dono. Com ares de fábula e um enredo cativante, Relatos de Um Gato Viajante surpreende pela trama delicada e a narrativa ágil de Arikawa, que consegue mesclar momentos de emoção pura com piadas divertidas.

Continue Lendo

LITERATURA TV

Píppi Meialonga: por uma representatividade positiva de meninas na Literatura Infantil

Conheci a personagem Píppi Meialonga através de uma antiga série de TV dirigida por Olle Hellbom em 1969 e protagonizada por Inger Nilsson. Na época, eu era ainda muito menina e não sabia que a produção tinha por inspiração o mundo das letras impressas; foi somente mais tarde que eu descobri que por trás das telas existiam páginas de papel. Além desta, houve outra adaptação cinematográfica, As Novas Aventuras de Píppi Meialonga, dirigida por Ken Annakin em 1988, e também uma série animada, As Aventuras de Píppi Meialonga, lançada em 1997. Todos esses enredos são baseados na coleção de três livros da escritora sueca Astrid Lindgren, editados entre 1945 e 1948. O primeiro livro da trilogia, Píppi Meialonga (no original, Píppi Långstrump), foi escrito inicialmente apenas como um presente para o aniversário de dez anos de sua filha, mas a história conquistou a todos e foi traduzida para cerca de 80 idiomas, do árabe ao zulu. Essa foi a obra de maior sucesso da autora e lhe concedeu diversos prêmios, entre eles, o prestigiado Hans Christian Andersen – maior prêmio de Literatura Infantil. Continue Lendo

LITERATURA

Uma Bolota Molenga e Feliz: Sarah Andersen, mulher e millenial

O nome Sarah Andersen não é desconhecido. Para bom vivente da webesfera, a chance de ter cruzado com algum trabalho da jovem adulta nascida em 1992 é grande. Responsável pela página Sarah Scribble’s, que possui mais de dois milhões de curtidas no Facebook, a artista reúne em cômicas tirinhas e pequenas histórias, realidades fictícias e autobiográficas. De forma divertida, suas tirinhas e quadrinhos representam muito bem o cotidiano de muita gente, em especial se você for uma mulher e mais ainda se for millenial. Continue Lendo