INTERNET

Das belezas etéreas do cinema à quase-banalidade das selfies

Da Vênus de Milo à Kylie Jenner, padrões de beleza sempre acompanharam a história da mulher — reinventaram-se através dos séculos e adequaram-se a novos contextos e mídias. Afinal, nos dias atuais, não só de televisão e cinema vivem os ícones de beleza: estes estão por todo lado e vão desde as barrigas chapadas das passarelas até as fotos de garotas que reblogamos no Tumblr. É. É isso mesmo. As fotos que reblogamos no Tumblr.

Até um ano atrás, eu nem sabia que isso era uma “coisa”. Eu estava em um desses dias de procrastinação quando fui parar no seguinte tutorial postado no YouTube: “Como ser uma Tumblr Girl?”. Assisti tudo até o final, é claro. Primeiro porque não fazia ideia do que era uma Tumblr Girl, e segundo porque eu tenho a lua bem posicionada em peixes e me preocupo com tudo nesse mundo, inclusive com o ideal de beleza das garotas de 14 anos.

Antes de mais nada, preciso explicar o que é uma Tumblr Girl. Você pode não conhecer o termo, assim como eu não conhecia, mas aposto que você sabe quem ela é porque, mesmo que você não tenha Tumblr, tenho certeza que, vez ou outra, ela aparece no seu feed do Instagram. Uma tumblr girl é, basicamente, uma garota (quase sempre) branca, que usa maquiagem natural (exceto pelos cílios marcadíssimos por rímel e sobrancelhas desenhadas), é magra e se veste com tons neutros. Depois da aparência, o requisito pra ser uma Tumblr Girl é o cuidado com as fotos. Existem diversos (muitos mesmo!) tutoriais de “poses Tumblr” e de como tirar “fotos Tumblr” e, ainda, de “edições Tumblr”. Um mundo de opções para quem quer seguir esse padrão.

Não há nada de “certo” ou “errado” quando se trata de aparência, então nada contra a Tumblr Girl, menos ainda contra quem aspira ser (às vezes quando vejo meu feed do Instagram me encaixo nesse grupo). Padrões de beleza sempre existiram e (infelizmente) costumam ser seguidos, mas podemos perceber uma mudança no seu protagonismo, e em especial no local em que ele se apresenta – não são mais apenas as atrizes de Hollywood ou a protagonista de Malhação os ícones de beleza, mas, agora, também as Tumblr Girls: garotas comuns, que alcançaram fama por conta da internet e que não existem detrás do vidro quase etéreo da televisão, mas por trás dos computadores e smartphones. Essa constatação mostra que, apesar de a internet ser tida como um espaço democrático onde todos podem mostrar quem são, padrões ainda podem surgir nesse espaço frequentado desde crianças até idosos.

Independentemente de surgirem na internet ou na televisão, a questão é que não podemos simplesmente aceitar padrões como algo natural e inquebrável. Um padrão de beleza nada mais é do que uma série de características físicas e/ou visuais que são socialmente consideradas como belas e ideais. O problema é justamente que um número relevante de pessoas não possuem essas características e não importa quanta maquiagem elas usem, ou tipos de roupas elas vistam, ou quantos quilos elas percam (o “padrão de beleza” é extremamente gordofóbico, vale lembrar): alguns padrões de beleza são simplesmente inalcançáveis.

A maior parte do conteúdo que vi sobre “como ser uma Tumblr Girl” foi postado em blogs de meninas menores de idade. Compreensível. É nessa fase obscura da puberdade e início da adolescência em que, repletas de inseguranças sobre nossos corpos, ainda não conhecemos nossas personalidades — essas ainda estão se formando — e buscamos desesperadamente pertencer a algum grupo. Queremos ser, de algum modo, notadas pelas outras pessoas. E como poderia ser diferente, já que crescemos vendo filmes e novelas em que as mocinhas de 15 anos já são garotas populares que namoram o cara mais bonito da escola?

Desde muito antes de sabermos o que diabos é um padrão de beleza, já somos condicionadas a buscar por um ideal de beleza. É triste perceber que as características das ditas “Tumblr Girls” não são comuns em geral, e principalmente entre nós, brasileiras — somos majoritariamente negras, de narizes e quadris mais largos, e olhos e peles mais escuros. A falta de representatividade é gritante.

Algumas garotas nunca se encaixarão nesses padrões, por mais que tentem, e por mais que os tutoriais digam que “sim, qualquer uma pode ser uma Tumblr Girl”. Quando jogamos o termo no Google, no Tumblr, no Instagram e no Pinterest, o resultado mostra a realidade — a de que não, nem todas podem ser uma Tumblr Girl.

A questão em foco é: quantos complexos de imagem são criados ao perceber que as pernas finas das garotas nas fotos não serão alcançadas nem com anos de academia? Quantas cachos serão alisados para entrarem no padrão do “liso é mais bonito”? Quantas garotas, muitas menores de idade, se submeterão a dietas rigorosas sem acompanhamento, podendo vir a desenvolver transtornos alimentares? Quantas identidades se perderão no caminho na tentativa de se encaixar em um padrão de beleza?

Com base em todas essas questões que vejo como é impossível negar a importância da representatividade. Todos os tipos de corpos, peles e cabelos precisam ter espaço no mundo. Precisam estar em capas de revistas. Precisam ser fotografados e postados no Flickr para, em seguida, serem levados pro Tumblr. Precisam ser protagonistas de filmes. Precisam estar nas passarelas.

Antes disso acontecer, nós precisamos urgentemente aprender a sermos mais gentis com nós mesmas. Precisamos aprender a apreciar outros corpos sem querer que os nossos sejam como eles. Precisamos seguir e encher de likes no Instagram garotas que se pareçam conosco. Precisamos aprender a reconhecer a beleza fora dos padrões sem considerá-la como exótica, mas sim como normal. Precisamos, principalmente, aprender a desconstruir o que nos foi ensinado desde que éramos crianças e amar cada centímetro dos nossos corpos.

À partir de hoje eu vou usar #tumblrgirl em todas minhas selfies.

P.S.: Na humilde e totalmente dispensável opinião da autora ser uma Tumblr Girl é que nem ter um corpo de praia. Você tem Tumblr? É Tumblr Girl. Eu também sou e vida que segue.

Posts Relacionados

3 Comentários

  • Responda
    Jéssica Marques Soares
    7 de fevereiro de 2017 at 11:59

    Que matéria da porra <3

  • Responda
    Isadora Ferreira
    7 de fevereiro de 2017 at 13:35

    Eu vi um vídeo tipo esse que você citou (talvez até o mesmo, é possível) e fiquei pensando muito sobre ele, como os padrões de beleza mudam e até como existem diferentes padrões de beleza ao mesmo tempo e como a adolescência é um período louco e de muitas influências.
    No fim, acabei embolando os pensamentos e não cheguei em conclusão nenhuma. Seu texto trouxe luz pra essa minha confusão, porque era bem nisso que eu queria chegar aqui comigo kk texto maravilhoso, já mandei pra todas as migas que tiveram que aguentar minhas divagações sobre o que é tumblr girl. AH, sobre o seu PS: somos todas garotas tumblr. vida que segue.

  • Responda
    Evelly Keyze
    9 de fevereiro de 2017 at 11:37

    Texto maravilhoso, muito bem escrito e de uma mentalidade ótima. Parabéns!!!

  • Deixe um Comentário