CINEMA

Branca de Neve: representatividade dos personagens no mundo real

A Disney foi uma produtora muito presente em diferentes gerações e é ela a responsável por trazer mais próximo o fantástico da realidade. Por isso, o grande número de releituras criadas por ela mesma mostra o quão importante é a adaptação do que a sociedade consome. O papel do mocinho e da princesa vem mudando, junto dos vilões que se tornaram mais complexos e importantes.

O movimento industrial cinematográfico teve seu início na década de 20 e usaram como base construções narrativas com elementos que fossem parte do imaginário do espectador. Por isso da criação das “estrelas de cinema”, as figuras representativas de comportamentos de massa. A espectadora mulher cria uma versão própria do que as personagens femininas fazem e como se sentem na tela transformando, assim, esses ícones da cultura popular em projeção e sedução. Só que ao mesmo tempo em que essas imagens tentam “mostrar” como eram as mulheres, elas criam um estereótipo que diz respeito a sua função na sociedade e não como seriam suas personalidades. Como tarefa da Indústria Cultural, a fetichização se desenvolve como parte do consumo. Através desses estereótipos são criadas “falsas necessidades”, que é tudo aquilo que não é imprescindível para a sobrevivência, mas que vira item de desejo quando aparece no meio de comunicação.

Com a dominação natural na mídia, acontece a conexão entre o imaginário e o espectador, que é esse processo que influencia o comportamento de quem assiste determinado produto midiático. É por isso que, assim como no cinema, na televisão as narrativas têm personagens femininos, mas que tem apenas papéis secundários ou que se limitam a ter diálogos sobre vestuário e relacionamento gerando itens de valor a serem comercializados pela ideia de fetiche midiático. Quando o estereótipo é vencido, sua sustentação perde base simbólica em relação a sua apresentação. A mulher moderna só vai encontrar significado no produto midiático que ela consome se ele for, no mínimo, um reflexo do que ela vive. E assim como no caso de personagens princesas que vêm sendo recriadas e apresentadas de forma mais madura, independente e forte, rainhas e bruxas também passam por essa evolução.

Segundo pesquisa no Wikipédia (2015), existem cerca de 14 adaptações da história de Branca de Neve na versão de conto e mais de 30 releituras no audiovisual. Todos os autores que reescreveram a narrativa mantiveram pelo menos um dos elementos e, em sua maioria, é a presença da personagem feminina Branca de Neve, a peça obrigatória para que essas sejam relacionadas com a versão original.

Branca de Neve 2

Elementos como os anões já foram trocados por variáveis como ladrões, frades e até reis. Mas já que eles sempre funcionaram como a figura da amizade, segundo alguns psicanalistas, nesse ambiente, independente de sua versão, Branca encontra um espaço em que sua beleza não a faz correr perigo. Eles são parte importante da construção de caráter de moça, já que no momento que os conhece, nota que todos são equivalentes, tem os mesmos artefatos na casa, cuidam um do outro e tem em mente riquezas ao invés do sexo ou busca pela beleza. Os anões na história são como seus melhores amigos na vida real. Quando a criança entra em contato com a adolescência, é seu grupo de amigos que a ajuda a transitar dessa fase para a outra, são eles que estão ali para compartilhar sentimentos e ajuda mútua.

Já o espelho mágico da Bruxa Má, de certa forma, se transforma na figura do amante, o confidente, aquele que só tem olhos para a dona daquela imagem. Numa espécie de autoafirmação, a beleza ali refletida só tem sentido se alguém, em algum lugar, a admirar. Para a antagonista da história, mesmo em adaptações onde esse elemento fica em segundo plano, a beleza é seu trunfo, seu passaporte para uma vida mais poderosa. Logo, o espelho é seu aliado para conferir que ela ainda é a mais bela de todas.

Aqui na história de Branca de Neve fica bastante claro o que a mãe bruxa sente pela princesa. Afinal, ela foi acolhida (ou inserida, conforme algumas versões) em uma família desestruturada pela morte da figura feminina. A partir do momento em que ela vê a ruptura de inocência na pequena moça, seu sentimento imediato é o da rivalidade. A madrasta não tem filtros contra inveja, rancor e ciúmes, e a princesa acaba sendo seu único e maior rival na briga pela atenção do pai, o homem da casa. A afeição que existe entre uma mãe e uma filha é livre de barreiras desse tipo, a criança é sangue do seu sangue e, consequentemente, sua construção de caráter se molda conforme sua influência. Mas quando essa figura sai de cena precocemente e dá lugar a uma nova rotina de sentimentos, o abandono sentido pela princesa também transforma a própria menina.

Branca de Neve 3

Então, quando Branca dá de encontro com diferentes tentativas mortais da Bruxa Má, sua primeira reação não é temer nenhuma delas, muito pelo contrário, eram figuras de diferentes mulheres que estavam querendo cuidar dela (na sua cabeça, só). A figura da velha remete aos avós e ao reconforto que eles trazem, esse seria um dos motivos pelo qual esse disfarce foi infalível no plano da Bruxa Má.

Ao oferecer a maçã para a princesa, a tentação de consumir algo proibido, assim como Adão e Eva, levou  Branca a aceitar o presente. Essa seria uma analogia à inserção da sexualidade na personagem. Ela morre menina, mas acorda pronta para uma vida a dois com o Príncipe Encantado. Esse, que se apaixona perdidamente pelas bochechas rosadas que a princesa tem, mesmo falecida, vê naquele caixão de vidro a beleza passiva da menina – que vamos combinar, é creepy pra caramba ser beijada dormindo, praticamente uma violação.

Uma visão parecida, porém não totalmente igual, é a do Caçador para com Branca. No impulso de acabar com quem estava roubando sua atenção, a Rainha Má manda que a menina seja morta na floresta e exige seu coração e vísceras para que sejam ingeridas e assim, sua beleza incorporada. Porém, na hora do assassinato, o Caçador é um exemplo de homem que não foi controlado pela Bruxa. No entanto, ele também não salva Branca completamente, pois a deixa a mercê da própria sorte na floresta escura. A figura desse personagem retrata a posição que um filho pode ter com seus pais: num primeiro momento, acata o que lhe foi dito buscando o amor e identificação pelos superiores, porém, logo após, toma sua própria decisão e busca o que acha certo para si.

Branca de Neve 5

Produtos midiáticos são potencializadores de relações, são eles os responsáveis por unir e criar laços afetivos e sociais, por isso o seu consumo muda conforme a geração e época vividos. Um conto de fadas e uma narrativa audiovisual são, ambos, ferramentas sociais muito importantes e decisivas na construção da personalidade de sua audiência. Assim que consumidos, sua mensagem passa pela identificação, compreensão e projeção da mente do receptor, transformando, assim, totalmente o entendimento daquele produto. Esse é um processo catalizador na criação da própria impressão que cada um que escuta, assiste ou participa daquela realidade tem.

Nesse momento, da criação e assimilação de papéis dentro de uma sociedade, o tipo de representação que é imposto através desses produtos tem dois vieses: o estereotipado e o projetado. O estereotipado é aquele cenário, personagem ou final que já é previsto e identificado pela maioria. E o projetado seria aquele tipo de situação em que quem assiste se identifica ou cria empatia querendo, então, fazer parte daquilo.

A representatividade faz parte do processo de socialização construindo imagens e desejos a partir de uma narrativa. Quando os contos dos Irmãos Grimm foram compilados e publicados, essas histórias já eram de conhecimento popular e por isso, já tinham um papel importante na aplicação da moral e costumes da época. Ao levar para o público, do fim da década de 30, uma história em que existia um duelo entre uma rainha poderosa e malvada contra uma jovem moça pela atenção de um homem em comum, a sociedade coloca mulheres como rivais. É apresentado também um universo em que a beleza feminina é a maior riqueza que qualquer mulher poderia ter. Isso é levado para fora da narrativa através da venda de cosméticos, roupas e ideias de feminilidade.

Branca de Neve 4

Esse tipo de estereótipo criado de que a jovem é indefesa e a mãe é mais experiente, incorporada na vilã, também transforma o modo como a mulher é representada na sua variação de idade. A busca pela juventude faz parte dessa construção social de beleza e isso se torna sinônimo de poder, o que nessa visão seria “conquistar” quem quiser – imagem criada para identificar as princesas de que a sua recompensa final seria o casamento, o amor correspondido. Mas quando, na vida real, as mulheres enfrentam situações muito diferentes das vividas por suas figuras idolatradas, sua visão de amor se torna adversa, resultando na quebra de expectativa. Então, para chamar a atenção desse público que não está sendo representado era necessário transformar seus personagens em tipos cada vez mais “humanos”. Esse é um dos caminhos da releitura e da adaptação.

Então, para que as novas tramas e histórias façam sentido para a audiência, a figura das princesas, bruxas e caçadores se transforma conforme seu público evolui. Como exemplo de personagem que não segue os mesmos padrões previamente estabelecidos, temos a princesa Merida, de Valente (2012), da Disney Pixar, ou Mulan (2008). Ela são jovens que mostram, em seus discursos marcantes, que o responsável por seu destino são elas mesmas. E que sim, elas são mais do que capazes de chegar aonde querem, assim como toda e qualquer mulher.

Posts Relacionados

Comentários

Deixe um Comentário