Posts de:

Jé Mazzola

TV

Lagertha: a figura feminina em Vikings

Alvo de diversos estudos, a civilização Viking – originária da região da Escandinávia que atualmente compreende Suécia, a Dinamarca e a Noruega – tem chamado cada vez mais atenção, principalmente após uma descoberta ter mudado muito do que se sabia sobre eles até o momento. Talvez levados, em parte, pela cultura popular, quando pensamos em vikings, qual imagem vem primeiro à nossa mente? Homens fortes, grotescos, saqueadores que pilhavam e invadiam em busca de ouro. Se por um lado esses estereótipos até fazem algum sentido, por outro não poderiam estar mais equivocados.

Continue Lendo

CINEMA

Abracadabra: a relação entre a mulher e jovialidade imposta pela sociedade

Uma coisa é certa: é impossível pensar no mês de outubro e não lembrar de abóboras, morcegos, chapéus pontudos e todo aquele misticismo que o Dia das Bruxas carrega consigo. Bruxas (cadê minha carta de Hogwarts?) são figuras do imaginário popular que podem ser interpretadas de maneiras diferentes conforme a cultura em que seu mito está inserido, assim como a referência que se tem desse tipo de figura. Em algumas culturas, as bruxas são apontadas como mulheres muito sábias com conhecimentos sobre a natureza, o funcionamento de determinadas ervas e a cura de certas doenças. De geração para geração, elas transmitiam seus conhecimentos para outras mulheres de maneira a propagar aquilo que sabiam. Não é a toa que muitas dessas mulheres foram condenadas à morte simplesmente por pregarem um tipo de conhecimento contrário ao professado pela fé da Igreja Católica – é só lembrar do sombrio e tenebroso período da Inquisição e as provações terríveis pelas quais essas “bruxas” tiveram que passar. 

Continue Lendo

CINEMA LITERATURA TV

Personagens coadjuvantes e a falta da presença feminina nas aventuras

Frequentemente quando lemos um livro, assistimos a um seriado ou nos envolvemos com algum personagem, encontramos uma certa base estrutural comum na história, correto? Tem um protagonista, tem um vilão, tem personagens ao redor dessas pessoas, tem o bem, tem o mal, tem aquele que a gente torce até o fim e aquele que a gente sente prazer em odiar. Essas categorias são comuns em um tipo de narrativa que chamamos de jornada do herói, um jeito de contar histórias bem clássico no qual um indivíduo sai em busca de algo que pode mudar a sua vida e, obviamente, encontra obstáculos, mas depois os enfrenta bravamente.

Continue Lendo

LITERATURA

O Miniaturista: Petronella Oortman e a força da mulher numa família

Eu comecei meu “império” da leitura com J.K. Rowling e não parei mais por a partir de então. Depois de Harry Potter, foi a vez do Diário da Princesa e logo depois veio Percy Jackson. Saltitando entre um universo e outro, eu volta e meia reencontro livros que há anos estão na prateleira dos “must read” e que ainda não tiveram uma chance no meu tempo. Me considero meio acumuladora de livros, também, sempre comprando mais e mais nas promoções. E foi num surto de compras desses que passei a perceber que uma forma de valorizar mulheres na literatura era consumir mais e mais livros escritos por autoras

Continue Lendo

INTERNET LITERATURA

Felicia Day e como ser maravilhosa na internet

Talvez você já tenha ouvido falar dela, a grandiosa “rainha dos nerds”: Felicia Day já realizou inúmeros trabalhos como atriz sendo, talvez, o mais popular, o de Charlie Bradbury, uma mulher querida, inteligente e muito legal que ajuda os irmãos Winchester em Supernatural. Ou, quem sabe, você pode se recordar dela na websérie The Guild, produzida e escrita por ela mesma e exibida no Youtube.

Continue Lendo

LITERATURA

Vou Te Contar Por Que Estou Solteira: amizades femininas e relacionamentos

Foi somente por um acaso do destino que conheci a Simone Lemos, autora do livro Vou Te Contar Por Que Estou Solteira. Meu namorado pegou um voo para Nova York e acabou sentando ao lado dela e, depois de um papo, reconheceram que eram brasileiros indo para o mesmo destino; ela já morava em Nova Jersey e havia vindo ao Brasil visitar a família. Muito querida, ela ofereceu carona para ele até uma estação de metrô próxima quando chegaram no aeroporto JFK, mas desde então nunca mais se falaram. Até que ela lançou um livro e quando ele ficou sabendo, pediu uma cópia autografada para mim visto que ele sabia que eu adorava YA e livros sobre relacionamentos.

Continue Lendo