Posts de:

Analu

LITERATURA

As mães e os filhos (fora) do cárcere

A chama para este texto veio há quase dois meses: no dia 24 de março, a ex-primeira-dama do Rio de Janeiro, Adriana Ancelmo, investigada por corrupção ao lado do marido, o ex-governador Sérgio Cabral, teve concedido pelo Supremo Tribunal de Justiça um habeas corpus permitindo que ela ficasse em regime de prisão domiciliar enquanto não tivesse seu caso julgado. Isso aconteceu porque ela tem um filho menor de 12 anos e, teoricamente, a lei brasileira garante o direito de prisão domiciliar a mães de filhos na primeira infância, especialmente aqueles que estão privados do convívio dos dois pais ao mesmo tempo – Cabral está preso desde novembro.  Hoje, 10 de maio, essa discussão parece até uma faísca atrasada, já que no fim do mês passado Adriana retornou à prisão por decisão do Tribunal Regional Federal da 2ª região. O caso dela poderia não ser levado em consideração na discussão que proponho agora, mas será porque faz parte dessa grande suruba arbitrária que é a lei brasileira.

Continue Lendo

LITERATURA

Socorro Acioli, sua cabeça do santo e por que devemos valorizar a literatura que nos representa

Socorro Acioli

Parece bobeira, mas a gente está tão acostumada a viver sob a redoma do raio internacionalizador que desacostumamos a dar de cara com algo que seja nosso e nos represente de uma forma mais próxima. Tendo me tornado uma recente apreciadora da literatura contemporânea brasileira, me pego pensando com frequência em como é gostoso se sentir fazendo parte das coisas, entendendo o idioma falado (e quando eu digo entender o idioma é entender além do cru, entender as piadas internas, entender os gracejos).

Continue Lendo

LITERATURA

Um balanço das representações femininas em A Seleção

A primeira vez que eu ouvi falar no enredo da série A Seleção, confesso, revirei os olhos, e acho que qualquer pessoa já inserida na bolha da problematização faria ou fez a mesma coisa. Como assim um “big brother” de meninas para o príncipe escolher sua esposa? A gente realmente precisa de demonstração de objetificação de mulheres na literatura jovem adulta? Não, a gente não precisa. E depois de ter recebido indicações efusivas de uma amiga e ganhado os dois primeiros de presente dela mesma eu confesso que fiquei bastante animada, e me viciei tanto na trama que li rapidinho. Graças à deusa, A Seleção não é a história rasa e “feministicamente” péssima como eu pensei que seria.

Continue Lendo

CINEMA LITERATURA

Crítica: O Lar das Crianças Peculiares

Desde que me entendo por gente (e por leitora), estou acostumada a esperar ansiosamente pelo filme de um livro que eu li e gostei. E digo “filme” mesmo, e não “adaptação cinematográfica” porque essa chavinha demorou a virar na minha cabeça – e até hoje, às vezes, esqueço que tenho que acioná-la. Qual a diferença? Toda. Quando a gente finalmente entende que livros e filmes são diferentes e que, por mais que a gente espere encontrar na telinha tudo aquilo que encontramos nas páginas, isso não vai acontecer, fica mais fácil não se frustrar. Adaptação, essa é a palavra de ordem. “Melhor nem criar taaaantas expectativas, não é o livro na tela, é só uma adaptação”.

Continue Lendo

LITERATURA

As histórias de Sherazade e por que ela deve ser reconhecida como uma das personagens mais importantes da literatura

Dentro das minhas perspectivas literárias, As Mil e Uma Noites era só mais um daqueles classicões elencados em listas como “1001 livros para ler antes de morrer” que eu iria ignorar sumariamente. A história começou a mudar quando eu dei de cara com um box novo da história a R$36,00 reais na Amazon e não resisti.

Continue Lendo

TV

Laços de Família e a representação feminina na obra de Manoel Carlos

Eu tenho uma tendência doentia a me derreter inteirinha pela ficção e me apegar de uma maneira que fico realmente desolada quando termino um livro, uma série ou uma novela. Foi assim que aconteceu em 2005 quando eu tinha 13 anos e finalmente assisti Laços de Família, reprisada no Vale a Pena Ver de Novo – já que quando eu tinha 8 anos e o folhetim foi transmitido pela primeira vez, eu não me interessa por “novelas de adulto”.

Continue Lendo