Posts de:

Ana Luiza

TV

Emerald City e uma nova jornada pela estrada de tijolos amarelos

“Não estamos mais no Kansas”, diz a jovem Judy Garland na clássica adaptação de O Mágico de Oz, onde dá vida a uma Dorothy ainda criança, com seu característico vestido azul de algodão e fita no cabelo. É a versão da personagem que ficou marcada em nosso imaginário; uma Dorothy doce e absolutamente adorável, que canta e encanta ao longo de sua busca por uma forma de voltar para casa, e que conquistou inúmeros corações desde que surgiu pela primeira vez nas telas do cinema, em 1939.

Continue Lendo

MÚSICA

Cabelo de sereia e muito rock’n’roll: quem é Melissa Reese?

Quem é Melissa Reese?, você deve estar se perguntando. Essa também foi a primeira e principal pergunta de muitos fãs do Guns ‘n Roses quando o anúncio sobre a nova integrante da banda ganhou a internet no início do ano passado. Era a primeira vez que uma mulher se tornava um membro fixo da banda – uma novidade que dividiu opiniões. No meu caso, que já não acompanho a banda de perto há algum tempo, contudo, a pergunta só veio após muito tempo, quando vi todo o potencial de Melissa ao vivo, durante a turnê “Not In This Lifetime”, que passou pelo Brasil no final de 2016. Quem é essa mulher incrível de longos cabelos azuis que não para de dançar um minuto sequer?, eu me perguntei o show inteiro. A resposta não demorou para aparecer.

Continue Lendo

CINEMA

Muito mais do que vestidos: Hollywood, aparência e o valor da mulher no cinema

Se fôssemos elencar alguns dos problemas mais comuns na indústria do entretenimento, o machismo certamente figuraria entre os top cinco ou três – o que está longe de ser uma surpresa. É, afinal, um reflexo de uma realidade que nunca se preocupou em ser gentil com suas mulheres, e que se torna mais evidente à medida que questionamos regras e padrões impostos por ela. Hollywood não foge à regra: antes mesmo de pisarmos neste mundo, a indústria cinematográfica norte-americana já se estabelecia como uma fábrica de sonhos de homens brancos, feita sob medida para outros homens brancos, um lugar onde mulheres não tinham voz, poder ou autonomia.

Continue Lendo

TV

The Last Kingdom e o que suas personagens femininas têm a nos dizer

O ano é 872. Os vikings avançam por pequenos reinos que, atualmente, compõe a Inglaterra, em busca de terras, escravos e riquezas, instaurando o terror por onde passam e transformando as belas paisagens europeias num – literal – campo de batalha. É nesse cenário contraditório, que une, ao mesmo tempo, beleza e tragédia, que se passa The Last Kingdom, série lançada em 2015 e exibida no Brasil pelo canal History.

Continue Lendo

CINEMA

Crítica: Manchester à Beira-Mar

Dizem que é preciso perder alguém para compreender inteiramente a dor do luto. Não acredito que essa seja uma verdade absoluta, embora se aplique na maior parte dos casos: se a morte é a única certeza que temos em vida, deparar-se com ela é, ao mesmo tempo, reconhecer sua verdadeira face – menos idealizada; mais triste e feia – e ter seu mundo inteiro virado de cabeça pra baixo, transformado em uma realidade completamente nova, mesmo que de forma sutil. À sua própria maneira, Manchester à Beira-Mar é um retrato bastante particular sobre a morte, a perda e o luto, mas principalmente sobre feridas que nem mesmo o tempo é capaz de curar; um filme que busca construir, a partir da trajetória de seu protagonista, uma história sobre as diferentes nuances e formas de lidar com um trauma inerente à condição humana.

Continue Lendo

LITERATURA

#Girlboss: Uma mulher no mundo dos negócios

A história de Sophia Amoruso não é exatamente o que se pode chamar de novidade, mas surpreende por se parecer com algo que poderia ter saído diretamente das telas do cinema: sem nenhuma perspectiva para o futuro, uma jovem de vinte e poucos anos cria uma loja no eBay para vender roupas vintage e de repente, não mais que de repente, vê seu pequeno empreendimento se transformar num império multimilionário. Em #Girlboss, livro lançado em 2015 pela Editora Seoman, Sophia conta sua história, ao mesmo tempo que, entre dicas e conversas motivacionais, esclarece que entre o conto de fadas vendido pela mídia e a realidade existem muito mais nuances do que acredita nossa vã filosofia.

Continue Lendo