Arquivo Mensal

Março 2017

TV

Crazy Ex-Girlfriend: Rebecca Bunch não é só uma garota apaixonada

Crazy Ex-Girlfriend, Psycho Ex-Girlfriend ou simplesmente Ex-Namorada Louca é uma trope recorrente na ficção e também nas narrativas midiáticas (que são apenas uma forma mais sofisticada de ficção). Trope (em português, tropo) é o nome que se dá a um padrão de narrativa que se repete nas histórias, fazendo referência, principalmente, à própria estrutura da narrativa ou a um tipo (arquétipo) recorrente de personagem. Assim, o tropo da ex-namorada louca diz respeito a uma personagem que nunca superou o término do namoro e vai perseguir seu ex-namorado, fazer de tudo para arruinar seus futuros relacionamentos e, dependendo do tamanho do ódio, destruir também a vida daquele cara – ou então só ficar com ele de novo, custe o que custar.

Continue Lendo

CINEMA

Crítica: A Vigilante do Amanhã – Ghost in the Shell

Quando soube que veria e escreveria sobre A Vigilante do Amanhã, resolvi me preparar e estudar, pois sabia que teria que lidar com tópicos complexos de discussão, como apagamento de cultura, whitewashing e representatividade. São temas difíceis e que precisam ser abordados com cuidado e responsabilidade. Antes de ver o filme, acompanhei de longe essa discussão. Muito já se falou sobre a escalação de Scarlett Johansson para o papel da Major – personagem originária do mangá japonês Ghost in the Shell, adaptado para o filme de Hollywood –, e é preciso falar ainda mais.

Continue Lendo

TV

Crítica: Punho de Ferro

Algumas histórias são tão frequentemente repetidas que se tornam grandes clichês da ficção. Mudam-se os cenários, os personagens, o contexto econômico, político e social em que cada uma delas está inserida, mas a essência continua exatamente a mesma. São, na maioria das vezes, variações da clássica jornada do herói, conceito que o antropólogo Joseph Campbell aborda em seu livro O Herói de Mil Faces, publicado pela primeira vez em 1949 e que desde então vem sendo interpretado, reinterpretado e replicado de forma exaustiva no cinema, na literatura e na televisão.

Continue Lendo

CINEMA

A Bela e a Fera: quando a redenção não é possível

A versão live-action de A Bela e a Fera é muito parecida com a animação, o que já era possível observar nos trailers. Acompanhei muita gente falando mal disso, mas não achei nenhum grande problema. Aliás, a semelhança foi o elemento mais explorado na divulgação do filme;  todas as cenas liberadas, falas e músicas eram quase – se não totalmente – iguais às da animação. A semelhança não incomoda (pelo menos não aos fãs da história como eu) porque o filme conta uma boa história, e boas histórias valem sempre a pena serem contadas. Contudo, a nova versão apresenta algumas diferenças que, apesar de serem sutis, conseguem diferenciar o filme da animação.

Continue Lendo

COLABORAÇÃO GAMES

O feminismo das cavernas de Jean Auel e Chrono Trigger

Chrono Trigger

Chrono Trigger é um RPG lançado para o console Super Nintendo em 1995 e talvez até hoje considerado como um dos mais famosos e relevantes do gênero. Seu sucesso atemporal não é tão surpreendente ao analisarmos que dentro de sua equipe de produção contamos com nomes de grande influência como Hironobu Sakaguchi e Yuji Horii, criadores das renomadas séries Final Fantasy e Dragon Quest, respectivamente, além do designer de personagens Akira Toriyama, famoso por seu trabalho em Dragon Ball, fenômeno principalmente no seriado de animação, mas proveniente dos igualmente aclamados quadrinhos homônimos.

Continue Lendo

LITERATURA

Socorro Acioli, sua cabeça do santo e por que devemos valorizar a literatura que nos representa

Socorro Acioli

Parece bobeira, mas a gente está tão acostumada a viver sob a redoma do raio internacionalizador que desacostumamos a dar de cara com algo que seja nosso e nos represente de uma forma mais próxima. Tendo me tornado uma recente apreciadora da literatura contemporânea brasileira, me pego pensando com frequência em como é gostoso se sentir fazendo parte das coisas, entendendo o idioma falado (e quando eu digo entender o idioma é entender além do cru, entender as piadas internas, entender os gracejos).

Continue Lendo